Weber - Saint-GobainWeber - Saint-Gobain

tecfix EP quartzolit

tecfix EP quartzolit
tecfix EP quartzolit

Benefícios de produtos

  • Fácil de aplicar
  • Rápido ganho de resistência
  • Pode ser aplicado sobre superfícies secas ou úmidas
  • Não retrátil
  • Resistente a vibrações
  • Produto atóxico, não agressivo ao meio ambiente

Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes, projetada para realizar a mistura adequada dos constituintes imediatamente no momento da aplicação.
Adere a substratos úmidos e devido à elevada resistência mecânica conferida. A ancoragem requer perfurações de menores dimensões, tanto na profundidade quanto no diâmetro do furo, gerando maior produtividade e, consequentemente, maior economia na obra.

Produto

Usos

  • Para ancoragem permanente de barras de aço, chumbadores, tirantes e parafusos de fixação, em concretos, rochas ou alvenarias, tanto na posição horizontal quanto na vertical

Vantagens

  • Fácil de aplicar (apresenta misturador estático que proporciona a mistura ideal no momento da aplicação)
  • Rápido ganho de resistência
  • Pode ser aplicado sobre superfícies secas ou úmidas
  • Não retrátil
  • Resistente a vibrações
  • Garantia e confiabilidade na execução de ancoragens em perfurações verticais com a abertura voltada para baixo
  • Agilidade da obra com a perfuração de menores profundidades e diâmetros
  • Proporciona grande economia, devido ao alto rendimento do material
  • Produto atóxico, não agressivo ao meio ambiente

Propriedades e características

Consistência Pastosa
Massa específica 1,500 kg/dm³
Tempo em aberto a 5 ºC 30 minutos
Tempo em aberto a 10 ºC 15 minutos
Tempo em aberto a 15 ºC x12 minutos
Tempo em aberto a 20 ºC 10 minutos
Tempo em aberto a 25 ºC 6 minutos
Tempo em aberto a 30 ºC 4 minutos
Tempo em aberto a 35 ºC 3 minutos
Período de liberação para carga a 5 ºC 8 horas
Período de liberação para carga a 10 ºC 6h30
Período de liberação para carga a 15 ºC 5 horas
Período de liberação para carga a 20 ºC 3h30
Período de liberação para carga a 25 ºC 2h45
Período de liberação para carga a 30 ºC 2 horas
Período de liberação para carga a 35 ºC 1h45
Temperatura de aplicação -10 a 30 ºC
COV* 0,45** g/L

* COV: Compostos orgânicos voláteis
** Resultados obtidos através da metodologia de análise segundo a SCAQMD Rule 1168: Method 304-91 – Determination of VOC content in various materials.

Fornecimento e armazenagem
tecfix EP quartzolit
é fornecido em bisnagas de 400 mL.
Mantendo em local seco, ventilado e na embalagem original lacrada, sua validade é de 12 meses, a partir da data de fabricação.

Recomendações de segurança

As medidas de higiene e de segurança do trabalho e as indicações quanto ao fogo, limpeza e disposição de resíduos devem seguir as recomendações constantes na FISPQ do produto.

 

Importante

O rendimento e o desempenho do produto dependem das condições ideais de preparação da superfície/substrato onde será aplicado e de fatores externos alheios ao controle da Weber, como uniformidade da superfície, umidade relativa do ar e ou de superfície, temperatura e condições climáticas, locais, além de conhecimentos técnicos e práticos do aplicador, usuário e outros. Em função destes fatores, o rendimento e performance podem apresentar variações.

Documentação

Ficha técnica

Ficha de segurança

Enviar ou fazer download de documentação

Você pode enviar a documentação para o endereço e-mail, ou baixá-lo.

Aplicação

Critérios de projeto

O projetista de estruturas ou de recuperação estrutural deve observar as características e propriedades da resina de ancoragem para dimensionar de forma precisa e segura. Os parâmetros a serem considerados no dimensionamento da ancoragem química são:
 - Propriedades do substrato de concreto
 - Propriedades do aço da barra, chumbador ou elemento a ser ancorado
 - Desempenho da resina de ancoragem ou adesivo
 - Diâmetro da barra
 - Espaçamento das ancoragens
 - Profundidade de ancoragem
Devido ao número de variáveis, não é possível ensaiar em laboratório todas as condições de serviço.
Portanto, é interessante poder determinar as cargas de trabalho por intermédio do cálculo dos esforços envolvidos.
O cálculo para se determinar as cargas de serviço para as barras leva em consideração a profundidade de ancoragem e a qualidade do concreto, indicada pela resistência à compressão do material. O valor da carga determinada pelo cálculo é um indicativo da carga de serviço, que deve ser confirmada por ensaios de campo no local da aplicação.

 

 

A Tabela 1 apresenta os coeficientes de aderência β para concretos com resistência à compressão e aço estrutural CA-50.

 

Tabela 1 - Coeficiente de aderência β – tecfix EP quartzolit

Tipo de açoConcreto C20 e C25Concreto C35 e C45
CA-501,511

A carga de serviço assim calculada deve ser então reduzida em consideração às distâncias da borda, ao espaçamento da ancoragem, à temperatura e a outras circunstâncias que reduzem a capacidade de suporte do substrato. Para barras muito finas, a carga de serviço não deve exceder a carga de ruptura teórica do aço utilizado, devendo-se limitar ao valor da carga de ruptura teórica dividido por 4, sendo este o coeficiente de segurança.
Para armaduras, a carga de serviço também não deve exceder a carga de ruptura teórica do aço. No entanto, o coeficiente de segurança passa a ser de 1,15. As barras de aço estrutural consideradas neste texto são as de uso comum na construção civil brasileira, denominadas CA-50.

A Tabela 2 mostra as forças máximas de tração, ou seja, a carga máxima de ruptura à tração, utilizando o aço para construção CA-50, relacionando quatro classes de concreto, comprimentos de ancoragem mínimos e máximos e diâmetros da barra e do furo distintos.

 Tabela 2 - Capacidade de carga para Aço Estrutural CA-50

Diâmetro da
barra (mm)
Diâmetro do
furo (mm)
Concreto C20 e C25Concreto C35 e C45
L mín.
L máx. (mm)
F mín.
F máx. (kN)
L mín.
L máx. (mm)
F mín.
F máx. (kN)
810805,30 808,0
33021,87 21921,87
10121007,95 10012,00
42934,13 28434,13
121612012,72 12019,20
46349,13 31249,13
162016021,19 16032,00
66087,39 43787,40
202520033,1120050,00
824136,52 546136,52
252825046,3625070,00
1000185,43712199,40
283228059,34320102,40
1120237,5800256,00

 

Com os dados da Tabela 2, pode-se avaliar a resistência oferecida pela resina. Para outros diâmetros, recomenda-se estimar a resistência pelo cálculo descrito anteriormente e executar ensaios para comprovar os valores calculados, sempre levando em conta que outras variáveis podem influenciar no desempenho final do sistema. Dois outros parâmetros devem ser considerados na avaliação estimativa da capacidade de suporte à tração do sistema de ancoragem. O primeiro se refere ao limite de proximidade da perfuração à face do concreto, ou seja, à borda do elemento estrutural. Esta distância define o fator multiplicativo de redução do limite de distância δ1. O segundo se refere à distância entre as perfurações, denominado espaçamento de ancoragem, estabelecendo-se o fator multiplicativo δ2.

 

 

Em situações onde há uma série de perfurações próximas entre si e das bordas do elemento estrutural, deve-se corrigir a estimativa original da capacidade de suporte à tração com o uso da equação 2 indicada e utilizar os fatores multiplicativos da Tabela 3. Os fatores multiplicativos são determinados em função da profundidade de ancoragem “L”, ou seja, uma vez estimada a carga e a profundidade de ancoragem com o uso da equação 1, pode-se considerar a influência da distância da perfuração e da proximidade desta em relação às bordas e modificar o projeto quando necessário, considerando uma perda da capacidade portante.

 

Tabela 3 - Fatores de redução para correção da capacidade de carga em situações de furos muito próximos entre si e das bordas.

Limite de distância0,6L0,7L 0,8L 0,9L1,0L 1,1L 1,2L
δ1 0,480,55 0,650,70 0,80 0,90 1,00
Onde: L = profundidade de ancoragem
Espaçamento de ancoragem 0,5L 0,6L 0,7L0,8L0,9L
δ20,80 0,85 0,90 0,95 1,00

 

Preparo e execução das perfurações

A perfuração pode ser executada de três modos: (a) com perfuratrizes rotativas, (b) com coroas diamantadas (neste caso, devem ser escareados) ou (c) realizando furos pré-moldados com configuração em cauda de pombo invertida. Após a execução dos furos, é de fundamental importância retirar todo o pó e os materiais soltos, preferencialmente, com jato de ar filtrado ou água. Utilizando o padrão das bitolas disponíveis para a construção civil, a diferença entre o diâmetro da barra e o diâmetro do furo deve ser de apenas um diâmetro padrão. Ou seja, para barras de ancoragem com diâmetro de 12,5 mm, por exemplo, o furo deve ter 16 mm (medida padronizada para as barras de aço CA-50) ou para barras de ancoragem com bitola de 16 mm, o furo deve apresentar 20 mm de diâmetro.

Preparo das barras de aço

Barras, chumbadores, tirantes e parafusos de fixação devem apresentar-se limpos e isentos de graxas, óleos e produtos de corrosão. Após a limpeza, não manuseie o metal na região de ancoragem. De preferência, proteja as extremidades das barras até o momento da ancoragem.

Mistura

É realizada no momento da aplicação pelo próprio sistema da embalagem. Acople o bico helicoidal na ponta da bisnaga de tecfix EP quartzolit, insira o aplicador e bombeie o adesivo, até observar o fluido lubrificante começar a sair. Descarte o material até que se verifique a saída do produto homogêneo com consistência pastosa. Após esta etapa, introduza o bico nas perfurações para início da aplicação.

Aplicação

A superfície do concreto deve estar limpa, podendo estar seca ou úmida. Bombeie tecfix EP quartzolit continuamente para dentro dos furos de ancoragem com o uso do aplicador tecfix EP quartzolit, sempre do fundo para a borda. Insira a barra de aço sob pressão e com leve movimento de giro, até atingir a profundidade determinada em projeto. A barra deve ser mantida na posição até o endurecimento da resina, que varia conforme a temperatura ambiente.

Consumo teórico aproximado

O cálculo do consumo para a resina de ancoragem química tecfix EP quartzolit pode ser realizado através da equação 3 disposta a seguir.

 

 

As Tabelas 4 e 5 apresentam o consumo calculado para as situações de ancoragem descritas no item Critérios de projeto.

Tabela 4 – Consumo para aço estrutural CA-50 e concretos C20 e C25.

Diâmetro da
barra (mm)
Diâmetro do
furo (mm)
Concreto C20 e C25
L mín.
L máx. (mm)
Consumo por furo
(cm³ ou mL)
Quantidade de furos
por embalagem de 400 mL
81080120177,00
2807,9150,00
10121003,45115,00
36612,6431,00
121612010,5538,00
42837,6510,00
162016018,1022,00
56263,536,00
202520035,3311,00
702123,993,00
252825031,2012,00
77596,734,00
283232060,296,00
800150,722,50

 

Quando há mais de uma situação de ancoragem, ou seja, quando há mais de um diâmetro de barra ou os comprimentos de ancoragem variam, deve-se calcular por números de furo para cada situação e somar o volume total. Para se obter o número de peças da resina de ancoragem, deve-se dividir o volume total, em mL, por 400. Caso seja necessário calcular o consumo em kg, a densidade de tecfix EP quartzolit é 1.500 kg/m³. Para situações intermediárias, pode-se interpolar os dados ou utilizar a equação 3 para a determinação do consumo da ancoragem química. 

 

Tabela 5 – Consumo para aço estrutural CA-50 e concretos C35 e C45.

Diâmetro da
barra (mm)
Diâmetro do
furo (mm)
Concreto C35 e C45
L mín.
L máx. (mm)
Consumo por furo
(cm³ ou mL)
Quantidade de furos
por embalagem de 400 mL
810802,26177,00
2196,1950,00
10121003,45115,00
2847,8531,00
121612010,5538,00
31227,4310,00
162016018,0922,00
43749,446,00
202520035,3311,00
54696,433,00
252825031,2012,00
71288,874,00
283232060,296,00
800150,722,50

 

 

Tabela 6 – Consumo para aço estrutural CA-50 e concretos C45 e C55.

Diâmetro da
barra (mm)
Diâmetro do
furo (mm)
Concreto C45 e C55
L mín.
L máx. (mm)
Consumo por furo
(cm³ ou mL)
Quantidade de furos
por embalagem de 400 mL
810802,26177,00
1795,0650,00
10121003,45115,00
2338,0531,00
121612014,0738,00
25522,4210,00
162016018,0922,00
35840,476,00
202520035,3311,00
47778,953,00
252825031,2012,00
58272,644,00
283232060,296,00
773145,632,50

É importante considerar determinada perda de material, devido, principalmente, ao excesso que pode ser lançado nas perfurações, que pode ocorrer no início das atividades, já que é necessário calibrar o número de movimentos de bombeamento da resina para garantir a quantidade correta a ser aplicada em cada perfuração. Esta perda pode variar também em função de erros nas dimensões das perfurações. A perda média de 5 a 10% pode ser considerada no cálculo do consumo final.